quinta-feira, fevereiro 23, 2006

Atomkraft? Nein danke!...

A "Sombra" é contra a energia nuclear. Pois, nós também!... Já o havíamos dito. Não deixa de ser curioso que enquanto países como a Alemanha encerram uma central nuclear por ano, por cá, certos "senhores" (sim, é eufemismo) proclamem hossanas e aleluias sobre o grande desenvolvimento do país. Está visto, é esta a solução para os males portugueses. Assim que se faça a primeira central nuclear (e se consiga exportar o lixo radioactivo para Angola ou o Biafra, para daqui a uns 20.000 anos dasactivar...) iremos ser então uma nação desenvolvida. Ultrapassando a própria Alemanha... Note-se. Vale a pena ler o artigo d'A SOMBRA.

3 comentários:

RS disse...

Pois vale. (hehehe) Obrigado pela publicidade, Cerveira. A Sombra estará empenhada na campanha pelo não à fissão nuclear.
Só espero que outros façam o mesmo.

A maior parte dos portugueses é contra a instalação de uma central nuclear em Portugal (quanto mais OITO.
Se a pressão se mantiver alta, duvido que que o sr. P. Monteiro de Barros ou outro leve a sua avante.

Parece-me, porém, que este assunto foi estra´tegicamente lançado na Praça Pública para "tapar" outras coisas, como a OTA e o TGV, por exemplo.
Convém não perder o tino.

Um abraço,
RS

nota:
Ao homem do Sargaço, se por aqui passar: Amigo, A Sombra já te devia ter entre os seus links!
Em breve será feita justiça.
:)

APOBO disse...

Caro Rui
Não tens que agradecer, bem pelo contrário, nós é que te ficamos agradecidos... e muito. De facto este é um tema que anda a ser muito "badalado". Enquanto nos outros países se procuram alternativas e se desenvolvem estudos no aproveitamento das energias renováveis, por cá continua-se a falar de nuclear. Paradoxalmente somos o país da Europa comunitária com maior número de horas de sol por ano e somos o que menos energia solar aproveita. Há que ter algum decoro. Será que pensam que somos todos parvos?... Acham mesmo que acreditaremos que o nuclear (fissão) é a solução, qual novo D. Sebastião dos dias enevoados? Podemos desejar um qualquer D. Sebastião, mas dispensamos bem o "nevoeiro"...

Nota: Ainda bem que concordas connosco quanto ao "homem do Sargaço" (hehehe). É sinal de que ainda não estamos muito toldados pelo "nevoeiro".
Abraço
Manuel

Solariso disse...

Um dia ainda vamos ver alguém a defender o regresso em força às centrais a carvão