quarta-feira, junho 22, 2005

Casa da Roseira


Mais um exemplar da arquitectura tradicional de Boassas, felizmente ainda preservado. Trata-se, desta feita, da denominada Casa da Roseira. O acesso que se vê é o chamado "Caminho do Fornêlo".

[Photo . Manuel da Cerveira Pinto . all wrights reserved]

4 comentários:

Vera disse...

Tão Bonita!! Decididamente tenho que visitar de novo esta belissima aldeia, que de facto tem tanto para apreciar e preservar! :)

APOBO disse...

Pois... Esse é de facto o nosso receio. Como fazer para preservar este (ainda) notável património? Embora a aldeia esteja classificada no PDM (Plano Director Municipal) com Local de Valor Patrimonial há mais de 10 anos, o facto é que isso de nada tem servido. A destruição é constante e avassaladora, sobretudo ao nível da arquitectura vernácula e é fomentada pela própria câmara que aprova pseudo-projectos de recuperação que nada respeitam. Mesmo na zona mais antiga - a milenar Arribada - já pouco permanece incólume. Mesmo agora que a aldeia foi classificada como "Aldeia de Portugal" (em que um dos requisitos em termos patrimoniais era a existência de arquitectura popular genuína) receamos que, a este nível, tudo fique na mesma. A ver vamos. Obrigado pela sua colaboração, Vera. É bom sabermo-nos lidos e apreciados. Bem haja.

Tânia disse...

Linda!!!Também irei visitar esta belíssima aldeia, provavelmente com a minha amiga Vera, que me fez descobrir a beleza das nossas aldeias e " ganhar o bichinho " por conhecer muitas mais!!
Parabéns pelo trabalho desenvolvido!
Tânia

APOBO disse...

Cara Tânia
Muito obrigado pelas palavras de felicitação. Esperamos então a sua visita. É muito bem vinda... Boassas precisa, mais do que nunca, de quem a aprecie. Neste momento a aldeia sofre imenso e são grandes e graves os seus problemas. A população encontra-se eminentemente envelhecida e tem diminuído assustadoramente nos últimos anos. A destruição paisagística, patrimonial e ambiental tem-se acentuado de sobremaneira, colocando em risco as últimas possibilidades de sobrevivência deste povoado milenar. A Associação Por Boassas intenta de inverter esta situação (ou pelo menos sustê-la) e por isso estamos a agir em várias frentes no sentido de criar condições para o seu desenvolvimento, o qual passa (óbviamente) pela preservação, divulgação e reabilitação do seu património. É nossa ideia começar angariar pessoas que queiram passar férias na região e recuperar alguns destes edifícios abandonados... Os apoios são poucos e o trabalho imenso. A ver vamos o que se consegue fazer. Um abraço e até breve.
Manuel