sexta-feira, junho 27, 2008

"Aldeias de Portugal" visitam Boassas


Boassas foi novamente visitada por elementos das "Aldeias de Portugal". A intenção primeira foi recolher imagens e depoimentos sobre a aldeia, o seu património e a sua história, para integrar as exposições nas feiras de turismo nacionais e internacionais em que a organização vem participando. A nota negativa desta visita, ficou-se pela constatação da destruição do património construído (a arquitectura popular e tradicional, que continua a não ser protegida), pela má conservação dos caminhos e arruamentos e pelo muito lixo que polula pela aldeia.

2 comentários:

Campelo de Sousa disse...

Pois é !
Infelizmente estamos a viver num país inde vale tudo !

Mas, penso eu que a destruição do nosso património se deve exclusivamente aos pederes Autárquicos Instituidos !

Pois são as Câmaras com as suas Leis de gaveta, que têm destruido ou autorizado a destruição do nosso património !

http://montao.blogspot.com

Cerveira Pinto disse...

Caro Campelo de Sousa
O problema da destruição do património é vasto e complexo. Alcança váriados aspectos e vertentes. Claro que em primeiro lugar é ao poder instituído (não apenas às câmaras) que se têm que imputar as maiores responsabilidades. No entanto o património dificilmente se consegue preservar sem o apoio das comunidades. Ora quando o nível cultural das populações se esvazia diariamente de forma avassaladora, quando a falta de educação e formação das pessoas é relegada para o último plano das prioridades nacionais, aí estamos já a falar do poder governativo, que não autárquico. Claro que também é mais do que sabido que em tempos de crise é a cultura, a arte, o património, que sofrem em primeiro lugar... A situação não é fácil, mas penso que o concelho de Cinfães é priveligiado numa multiplicidade enorme de factores que poderiam facilmente ser aproveitados, o que não tem vindo a acontecer, bem pelo contrário, esses mesmos factores têm vindo a ser delapidados e mesmo destruídos, comprometendo quiçá irremediavelmente a possibilidade de desenvolvimento futuro. E isto com o beneplácito das populações, que, distraídas com "futebóis", música "pimba" e mexericos "telenoveleiros", não percebe sequer o que se está a passar. É triste e é revoltante.
Obrigado, mais uma vez, pela sua participação.
Até breve.